Inicio MEU FINANCIAMENTO AMORTIZAÇÃO FGTS e o Regime de Casamento

FGTS e o Regime de Casamento

21271

Cônjuges ou companheiros

Vejam as possibilidades de Utilização do FGTS e o regime de casamento como pode influenciar na propriedade do imóvel

FGTS e o Regime de CasamentoA possibilidade de utilização de FGTS por cônjuges no que se refere ao atendimento dos requisitos relativos à propriedade de imóvel em condições impeditivas à utilização do FGTS, deve ser avaliada a partir da verificação do regime de bens adotado e das disposições legais constantes no Código Civil Brasileiro, para cada regime.

O regime de bens é o conjunto de regras escolhido antes do casamento ou União Estável, para definir juridicamente como os bens serão administrados.

No casamento o regime de bens entre os cônjuges começa a vigorar desde a data do casamento, sendo admissível alteração apenas mediante autorização judicial.

FGTS e o Regime de Casamento

O regime de bens que adotei ou adotar quando casei ou casar influi ou influirá na propriedade do meu imóvel?

Os regimes previstos na atual legislação brasileira são:

Quando acontece o casamento, o casal deve escolher um regime de bens.

  • Regime da comunhão parcial de bens
  • Regime da comunhão universal
  • Regime da separação de bens; e
  • Regime de participação final nos aquestos

É grande a influência do regime de bens no casamento ou união estável, devendo ser averbado na matrícula junto ao Registro de Imóveis.

Comunhão Parcial de Bens

Comunicam-se os bens adquiridos na constância do casamento, excluem-se da comunhão os bens que cada cônjuge possuía ao casar, bem como, os bens havidos por doação ou sucessão.

Ocorrendo o casamento e não havendo convenção anterior que o defina, por celebração de pacto antenupcial, vigora, quanto aos bens entre os cônjuges, o regime da comunhão parcial de bens.

Neste regime os bens adquiridos anteriormente ao casamento não se comunicam.

Assim os imóveis comprados antes do casamento pertencerão a cada cônjuge e os comprados após ao casamento pertencerão ao casal.

Comunhão Universal de Bens

Comunicam-se os bens adquiridos antes e durante o casamento, excluem-se os bens doados ou herdados com a cláusula de incomunicabilidade e as doações antenupciais feitas por um cônjuge ao outro, com cláusula de incomunicabilidade.

É necessário que o casal faça uma escritura de pacto antenupcial, em Cartório de Notas, antes de dar entrada no Cartório de Registro Civil.

Neste regime de bens são comuns (pertencem ao casal) todos os imóveis adquiridos anteriormente, como os comprados após o casamento ficam em comunhão.

Separação de Bens

Os bens permanecerão sob a propriedade e administração exclusiva de cada cônjuge.

É necessário que o casal faça uma escritura de pacto antenupcial, em Cartório de Notas, antes de dar entrada no casamento no Cartório de Registro Civil.

Neste regime de bens os patrimônios são distintos, ou seja, completamente separados.

Cada cônjuge irá ter a posse e a administração dos seus próprios imóveis.

Participação Final nos Aquestos

Cada cônjuge possui patrimônio próprio e lhe cabe, no caso de dissolução da sociedade conjugal, direito à metade dos bens adquiridos pelo casal na constância do casamento.

Integram o patrimônio próprio os bens que cada cônjuge possuía ao casar e os por ele adquiridos, a qualquer título, na constância do casamento.

Nesse regime, os bens imóveis são de propriedade do cônjuge cujo nome constar no registro imobiliário ou notarial.

Da União Estável

Em conformidade com a legislação vigente, na “União Estável”, salvo contrato escrito entre os companheiros, aplica-se às relações patrimoniais, no que couber, o regime da Comunhão Parcial de Bens.

Para comprovação da “União Estável” o trabalhador deve emitir documento, sob as penas da Lei, declarando a convivência em “União Estável” e esclarecendo qual o regime de bens adotado pelas partes, no caso em que for diferente do regime da comunhão parcial de bens.

No caso da adoção dos regimes de separação de bens, comunhão universal de bens e o de participação final nos aquestos, tal documento deve ser registrado em Cartório de Notas.

Portanto, para habilitar-se à utilização do FGTS, o trabalhador que não figurar no contrato de financiamento original, mas que viva em “União Estável” com o titular desse contrato, deve apresentar contrato de declaração de “União Estável” registrado em Cartório de Notas, no qual conste expressamente que o Regime de Bens adotado pelos companheiros é o da Comunhão Universal de Bens.

O pacto antenupcial deve ser feito por escritura pública e estar registrado em livro especial do Registro de Imóveis do domicílio dos cônjuges.

Observações

  • O regime de bens pode ser modificado após o casamento, mediante alvará judicial e anuência ambos os cônjuges.

A alteração do regime de bens do casamento produz efeitos a partir do trânsito em julgado da decisão judicial que a homologou, ou seja, vale daquela data para frente.

  • É obrigatório o regime de Separação Total de Bens para maiores de 70 anos e aos menores de 16.

Veja o vídeo Uso do FGTS pelo cônjuge:

Movimentação da conta  por mais de um trabalhador

É permitido o uso do FGTS por mais de um trabalhador, desde que constem como titulares do financiamento e sejam coadquirentes ou coproprietários do imóvel.

A copropriedade caracteriza-se pela nominação e qualificação de mais de um adquirente no respectivo contrato/escritura de compra e venda do imóvel, devidamente registrado.

Financiei imóvel quando solteiro. Hoje estou casado. Posso usar o FGTS da minha esposa?

Sim.

Desde que atenda as condições conforme regime de bens adotado no casamento, conforme abaixo:

Comunhão Universal

São também coproprietários os cônjuges, mesmo que não figurem formalmente no instrumento de aquisição do imóvel, se casados em regime de comunhão universal de bens, independente da data do casamento, assim como aqueles casados em regime de comunhão parcial de bens desde que o imóvel tenha sido adquirido após o casamento.

Esclarecemos que para regularizar a situação nos financiamentos habitacionais efetivados antes do casamento deverá ser localizada a documentação relativa ao casamento, em especial, a Certidão de Casamento e o pacto ante-nupcial.

Levar a documentação ao Cartório de Registro de Imóveis para averbação na matrícula do imóvel.

Após, solicitar uma Certidão de matrícula atualizada constando a alteração e inclusão do cônjuge como proprietário do imóvel.

Com a Certidão de matrícula atualizada e a documentação (Certidão de Casamento e pacto ante-nupcial) deverá ser entrega ao Banco para fins de cadastro e registro nos controles e sistemas do Banco.

A partir da alteração no sistema do banco ambos estariam habilitados para fins de utilização do FGTS, desde que sejam atendidas as condições de uso.

Comunhão Parcial

No casamento sob o regime da comunhão parcial de bens, mesmo que um dos cônjuges seja proprietário de imóvel residencial adquirido antes do casamento, o outro cônjuge, desde que atenda as exigências previstas para o uso do FGTS, pode utilizar o FGTS em financiamento no SFH formalizado após o casamento, ainda que este imóvel se localize no mesmo município, em município limítrofe ou na respectiva região metropolitana, daquele onde se localiza o imóvel de seu cônjuge adquirido antes do casamento.

A copropriedade não se configura, quando:

  • O imóvel foi adquirido antes da realização do casamento sob o regime da comunhão parcial de bens;
  • O imóvel constituir-se em bem reservado da mulher;
  • Por força de lei ou pacto antenupcial, os bens do casal não se comunicarem.

Para o uso da Conta Vinculada do FGTS de cônjuge que não é originalmente proprietário do imóvel, não participou do financiamento, e o regime de casamento adotado não foi a comunhão universal de bens, faz-se necessário tornar-se coproprietário do imóvel objeto do financiamento independentemente do percentual adquirido.

Compra e Venda entre Cônjuges 

A compra e venda de imóvel entre cônjuges deve obedecer estritamente à legislação vigente e o quesito principal a ser observado no regime de casamento adotado pelas partes é a “incomunicabilidade” do bem adquirido, observadas as demais regras de uso do FGTS.

Veja mais:

Inclusão de cônjuge no financiamento

Para tornar-se coproprietário do imóvel financiado, o cônjuge/companheiro deve adquirir fração ideal do imóvel mediante a formalização da compra de fração ideal e assunção do financiamento nas condições vigentes para o SFH devidamente registrada na respectiva matrícula no Cartório de Registro de Imóveis.

Além da verificação do regime de bens, a utilização dos recursos está condicionada a observância dos demais requisitos do trabalhador e do imóvel.

Cônjuges que Trabalham ou residam em localidades diferentes

É permitida a utilização do FGTS de ambos na aquisição de imóvel localizado no município da ocupação laboral principal ou de residência de um deles, observados demais condições de uso.

No caso de um dos cônjuges comprovar residência no exterior, é permitida utilização do FGTS de ambos na aquisição de imóvel localizado no município de residência ou de ocupação laboral principal do cônjuge residente no Brasil.

Posso usar FGTS na compra de imóvel?

O imóvel deve ser residencial urbano e destinar-se à moradia do trabalhador, devendo esta última condição ser declarada sob as penas da lei.

Gilberto Ribeiro de Melo

Especialista – Crédito Imobiliário

Fonte: Manual da Moradia Própria – MMP

Veja mais:

Quantas vezes posso usar o FGTS no financiamento?

626
Deixe um comentário

292 Comment threads
334 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
268 Comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marcelo

Olá,
minha esposa adquiriu via minha casa minha vida um imóvel antes do casamento, o mesmo foi escriturado e registrado a matricula antes do casamento, trata-se de financiamento para construção, a construção aconteceu durante e após o casamento, foi averbada e teve o habite-se 5 meses após o casamento.
Neste caso o imóvel pertence a ela ou ao casal
posso utilizar FGTS para compra de um novo imóvel apenas em meu nome?
Caso afirmativo , qual a lei que ampara a situação.
Grato

Marcelo

Em tempo, casado pelo regime de comunhão parcial de bens.

Marcelo

Então o que vale é a escritura ou a data do registro na matrícula, a averbação em data posterior ao casamento, mesmo sendo imóvel financiado na modalidade construção não se leva em consideração para efeito de enquadramento na possibilidade de utilização do FGTS.
Desde já muito obrigado

Marcelo

bom dia!
Não tenho problemas relativo a aquisição do imóvel atual , a dúvida seria somente apenas em relação a possibilidade da utilização do FGTS para compra de novo imóvel em meu nome ( em função da construção e averbação do imóvel ter acontecido após o casamento via financiamento ), mas como vocês me esclarecerem não há problemas pois o que define é a data de aquisição via escritura e registro, meu interesse é utilizar o meu FGTS em um novo imóvel.
Muito obrigado pelos esclarecimentos!

KATIA

Olá, me chamo Kátia.
Consigo usar meu FGTS, para comprar a parte do imóvel na separação de bens?

José Henrique de Oliveira

Olá. Boa noite. Meu nome é Henrique. Comprei um imóvel da MRV MINHA CASA MINHA VIDA e já usei todo meu FGTS pra abater 80% do valor das parcelas do apartamento nos últimos dois anos. Esta tudo no meu nome pq Eu comprei quando ainda era solteiro mas me casei meses depois e agora eu preciso saber se nós poderemos usar o FGTS da minha esposa pra poder fazer a mesma coisa, ou seja, abater 80% do valor das parcelas seguintes (no caso, 12 parcelas)? Seria possível? No caso de positivo, poderiam passar os meios de como fazer isso? Desde… Read more »

José Henrique de Oliveira

Boa noite. Quando vcs citaram ” o banco precisara aceitar preliminarmente a operação e haverá custos com ITBI, registro no cartório e etc…” vc querem dizer somente se nós NÃO casamos no regime universal de bens (no caso regime PARCIAL DE BENS)?

José Henrique de Oliveira

Eu acabei de ler o artigo sugerido por vcs. Se eu entendi bem, o valor dos custos de ITBI, registro no cartório e etc é nos dois casos ( regime universal de bens e parcial de bens). Eu tb calculei por cima o valor que nós teremos que pagar caso queiramos levar isso adiante. Um pouco acima do que eu imaginava (e tb claro, assim como muita coisa nas leis brasileiras, um absurdo). Alguma dica? Pra ser sincero eu gostaria de ouvir uma dica de vcs sobre isso…

José Henrique de Oliveira

Outra pergunta: o valor de ITBI será do valor atual da casa ou do valor que comprei na planta?

José Henrique de Oliveira

Agora fiquei confuso. É somente nesse caso que vcs citaram agora ( comunhao parcial de bens) ou nos dois casos ( comunhao universal de bens e comunhao parcial de bens)? Podem me esclarecer de vez pois fiquei um pouco confuso agora…
Desde já agradeço a gentileza.

José Henrique de Oliveira

Meu Deus. Agora eu entendi. Eu só vi agora a resposta de esclarecimento de vcs que veio anterior a essa ultima. Mil desculpas pelo incomodo. E muito obrigado pelas informações e pela imensa paciência pela minha falta de atenção. Tenha todos da sua equipe uma boa noite.

Luiz

Boa Tarde!

Tenho uma relação de 11 anos com meu companheiro. Em 2012, adquirimos uma casa, ao qual foi comprada somente no nome dele. Agora após 11 anos, vamos fazer uma união estável e recebemos uma orientação para declarar os 11 anos que estamos juntos e após a conversão para casamento civil. Gostaria de saber se apenas com a União estável, conseguirei usar meu FGTS para amortizar a divida da casa? Gostaria de saber também para esses casos, qual seria o melhor regime adotado?

Obrigado desde já!

Giovanna

Boa tarde!
Tenho um contrato de financiamento com nome de casada junto com meu marido.
Minha conta na caixa e PIS está como Solteira, e não estou conseguindo fazer a utilização do FGTS devido o meu nome, achei estranho porque na primeira utilização do FGTS usei como solteira, e minha conta e recebimento continua solteira (PIS).
No caso da separação neste período, o que é mais viável a ser feito ?
Atualizar o Contrato de Financiamento somente no meu nome, que não sei o que é necessário, ou atualizar PIS/CAIXA/EMPRESA para meu nome de casada e depois divorciar para poder utilizar o FGTS?
Me ajude!
Grata.

Carlos Ramos

Boa tarde!
Comprei um imóvel financiado pela caixa e, na época, já tinha união estável. Porém, o contrato ficou só em meu nome. Depois converti União estável para casamento declarando regime de comunhão parcial de bens. A dúvida é se posso fazer um aditivo no contrato de financiamento para incluir minha esposa como coproprietária para usar o FGTS dela sem fazer o processo de doação ou venda de parte ideal do imóvel. Quais documentos necessário que deverei apresentar para fazer isto caso seja possível? Obrigado.

Carlos Ramos

Obrigado por responder. O contrato não esta enquadrado em financiamento popular, o nome dela não foi inserido no contrato devido a sugestão da imobiliária para conseguir uma aprovação do financiamento mais fácil, visto que minha renda sozinha era passível de aprovação e ela já tinha um financiamento em aberto (FIES). Acredito que não teria problema, mas a imobiliária que tinha os contatos na caixa para elaborar o contrato e acabei acatando a sugestão. Então possivelmente não conseguirei incluí-la agora por ter omitido a União Estável na época? Obrigado mais uma vez.

Carlos Ramos

Outra informação que tinha esquecido de mencionar é que hoje ela esta desempregada. O aditivo seria apenas para usar o FGTS dela para amortização do financiamento. Abraços

Thiago Garcez

Boa noite,
Tenho um apartamento que comprei no minha casa minha vida, esse apartamento foi comprado utilizando o FGTS.
Me casei anos depois, e adquiri junto com minha esposa uma casa, que compramos jutos. Sei que o FGTS eu consigo usar no apartamento que comprei solteiro, pois faço abatimento da divida a casa 2 anos usando o saldo do FGTS.
Minha pergunta, minha esposa consegue utilizar o saldo do FGTS dela no apartamento que comprei quando solteiro, ou na casa que compramos juntos?
os imoveis são na mesma cidade, mas o apartamento está alugado hoje e moramos na casa.

Thiago Garcez

Um detalhe é que ela também tinha um imovel quando solteira, mas que vendeu depois que casamos, ou seja, eu tenho um imovel de solteiro no meu nome, e ela somente a casa que compramos juntos, já que o apartamento ela vendeu, ela consegue utilizar o FGTS?

Thiago

Fomos na caixa e eles de muita má vontade falaram que não era possível, visto que eu já tenho um outro imóvel, ela sendo minha esposa não poderá usar o fgts. Como procedo? Tem alguma lei que me assegura?

SELMA

Boa tarde.
Uma cliente comprou um imovel como solteira, casou-se no regime de comunhão parcial de bens e agora que comprar outro imovel com o esposo o mesmo pode usar o FGTS?

sandra

Financiei um apartamento so no meu nome. Eu era divorciada. Agora me casei a 7 meses e estou me divorciando. Nao informei ao banco sobre o casamento. Quero continuar com o financiamento. Pagando a parte dele. O que acontece agora uma vez que nao informei ao banco sobre o casamento.

Edna

Boa noite,
Meu marido comprou um imóvel financiado pela caixa econômica, SFH em 2007 antes do casamento, em 2014 casamos em regime comunhão parcial de bens, agora gostaria de utilizar o meu FGTS (esposa) para quitar o financiamento, é possível? Quais seriam os tramites? Como proceder?