Meu primeiro Apartamento! Decisão e Planejamento

Meu primeiro Apartamento! Decisão e Planejamento

1173
Fonte: Click Habitação
COMPARTILHAR

Como decidir e se planejar para o primeiro Apartamento? Quais os passos a seguir? 

Nosso primeiro imóvel a gente nunca esquece!

Meu Primeiro Apartamento

Essa é a frase que pode começar a descrever a minha experiência em financiar o meu primeiro apartamento. 

Minha trajetória será contada em 4 artigos divididos em: 

Não tenho a pretensão de mostrar que todos os meus passos foram corretos, mas meu objetivo é ajudar, com a minha experiência, os caminhos a serem percorridos.

Planejamento Financeiro

primeiro apeMinha história começou em abril de 2012. Foi quando resolvi fazer um investimento de médio prazo, em que meu objetivo era ter pelo menos R$ 100 mil como valor de entrada para fazer um financiamento. Não sou investidora, portanto resolvi partir para a boa e velha poupança.

Nessa época não sabia se queria uma casa pra minha família já que morávamos de aluguel ou se iria investir em um apartamento. Enfim, estava apenas decidida em juntar o dinheiro para que no momento certo eu tomaria decisão. 

A partir disso, comecei a destinar parte do meu salário como se fosse já um “boleto” de financiamento de prestação. Fiz uma planilha com os valores fixos de depósito mensal na poupança. Também inclui outros valores como PLR, 13º salário. Com isso fiz uma projeção de valores por ano para saber quanto eu teria de saldo. 

Momento de decisão: O momento é bom para fazer financiamento?

Para tomar essa decisão, a primeira coisa que fiz foi decidir qual o perfil de imóvel que eu queria.   

  • Primeira decisão: buscar o meu espaço
  • Segunda decisão: financiar um apartamento usado de 2 quartos perto de uma estação de metrô (para facilitar minha locomoção ao trabalho e outro para um escritório e receber hóspedes)
  • Confesso que não quis apartamento na planta, pois não queria me preocupar com prazo de entrega

Com essa decisão, comecei a fazer pesquisa em sites de imobiliárias para saber o preço do imóvel. O valor definido foi de no máximo R$ 300 mil reais. Para saber o momento certo, usei o simulador da CAIXA para saber qual o valor de entrada necessário para que a prestação coubesse no meu bolso. 

Foi aí que decidi também reservar pelo menos uns R$ 30 mil para que eu pudesse mobiliar ou reformar o meu apartamento. 

Quando finalmente, depois de tanto planejar e fazer contas, vi que em setembro de 2013 eu já teria condições de fazer um financiamento. Vejam quais valores eu cheguei para tomar essa decisão: 

  • Valor da prestação:  10% da minha renda (máximo de 30%)
  • Cota Máxima de Financiamento: 90%
  • Valor de entrada:  44% do valor do imóvel (recursos próprios e FGTS)
  • Prazo Máximo de Financiamento: 420 meses
  • Sistema de Amortização: SAC 

Busca do primeiro apartamento tão sonhado

A primeira decisão que tomei após saber o momento exato de financiar foi contratar um corretor de imóveis. Tive a sorte de contratar uma pessoa conhecida e de confiança para esse trabalho. Para facilitar a vida dele, já passei o perfil exato do apartamento desejado, localização e valores que eu poderia negociar. 

O corretor me mostrou 4 apartamentos, todos visitados por ele com antecedência para ver a qualidade. Isso já adiantou meu tempo, que era curto com somente visitas aos finais de semana. Com isso, em apenas dois sábados ACHEI meu apartamento dos sonhos.  

O lugar já era conhecido, já tinha ido a um churrasco nesse prédio. Boa estrutura do prédio, 2 Blocos, entregue em 2011. Boa administração de condomínio, todo informatizado. Valor de condomínio dentro dos meus padrões esperados. Piscina, sauna, sala de cinema, academia, sala gourmet, 2 churrasqueiras.  Uma vaga de garagem bem localizada. Vista do apartamento para a estação de metrô. O que eu poderia querer mais?! 

Com um bom corretor, conseguimos negociar o valor do apartamento por R$ 20 mil a menos do que o anunciado, lembrando que existe a taxa de corretor nessa negociação. 

Negociação acertada entre as partes, firmamos compromisso por meio do Contrato de Compra e Venda e fomos ao Banco  para dar entrada nos papéis para o financiamento. 

Isso em outubro de 2013! 

Assim fecho a primeira parte da minha história. Não perca a próxima parte!

Patrícia Matayoshi

Especialista – Crédito Imobiliário

Veja mais:

Financiamento Habitacional – O que considerar?

SEM COMENTÁRIO

DEIXE SUA PERGUNTA, COMENTÁRIO OU SUGESTÃO.