Crédito Imobiliário: Taxa de Juros em alta

Crédito Imobiliário: Taxa de Juros em alta

337
Fonte: Click Habitação
COMPARTILHAR

Nas pesquisas nos simuladores da internet, observou-se no último ano movimentos, feitos pelos Bancos, Crédito imobiliário: taxa de juros em alta, acompanhando elevações da SELIC

taxa SELIC no tempo - Crédito Imobiliário: Taxa de Juros em alta

Esses movimentos nas taxas de juros do crédito imobiliário ocorreram tanto no SFH quanto SFI.

Banco do Brasil

Em 2015 foram observadas duas alterações nas taxas de juros do Banco do Brasil, a primeira no começo de janeiro de 9,3% para 9,6% a.a., a segunda no final de março, de 9,6% para 9,9% a.a.. Em doze meses a taxa de juros saiu de 8,8% para 9,9% a.a. no SFH e de 10% para 9,9% a.a. no SFI.

CAIXA

Em janeiro a CAIXA anunciou o aumento das taxas de juros no crédito imobiliário, que entraram em vigor no dia 19. A taxa balcão no SFH foi mantida em 9,15%, com reajustes nas taxas com pacotes de relacionamentos. Já no SFI a taxa balcão saiu de 9,2% para 11% a.a., com reajustes também nos pacotes de relacionamento. Em doze meses no SFH a taxa foi de 8,85% para 9,15% a.a. e no SFI de 9,4% para 11% a.a.

Bradesco

Os demais bancos, embora não divulgado amplamente, também seguiram a mesma linha e mudaram suas taxas. Em dezembro o Bradesco elevou suas taxas de 9,2% para 9,8% a.a. no SFI, antes da CAIXA divulgar suas novas taxas. Em fevereiro novamente reajustou para 10,3% a.a.. No SFH o reajuste foi de 9,2% para 9,6% no inicio de março.

Itaú

Em março/2014, o Itaú apresentava taxa de 10,1% no SFH, em maio do ano passado sua taxa estava a 9,1% a.a., sendo reajustada em fevereiro para 9,7% e na data de 25 de março de 2015 houve redução para 9,6% a.a.. No SFI, as taxas em março de 2014 eram de 9,9%, em maio foram para 9,1%, quando as taxas passaram a ser as mesmas dentro e fora do SFH, em fevereiro de 2015 suas taxas eram de 9,7%, que também foram reduzidas para 9,6% a.a.

Santander e HSBC

Santander reajustou suas taxas de 9,3% para 9,8% a.a. no final de janeiro para o SFH e de 9,3% para 9,9% em fevereiro para o SFI.

HSBC em setembro apresentava taxa de 9%, outubro de 9,5%, novembro foi para 10%, voltando aos 9,5% a.a. em dezembro, mantendo essas taxas para o SFH e SFI.

SFH Taxa de Juros - Crédito Imobiliário: Taxa de Juros em alta

SFI Taxa de Juros - Crédito Imobiliário: Taxa de Juros em alta

Atualmente a CAIXA, e vários outros bancos, estão utilizando, como funding do crédito imobiliário, um mix de caderneta de poupança e de LCI – Letras de Crédito Imobiliário. Isso ocorre porque a CAIXA já aplica integralmente os 65% do saldo em caderneta de poupança, o chamado Direcionamento Básico. Como o custo de captação das LCI são 100% sensíveis às flutuações da Taxa SELIC, toda alteração sensibiliza as taxas de juros do crédito imobiliário ou a margem do produto.

Observações:

  • As taxas mencionadas referem-se às taxas “balcão” praticadas e foram obtidas por meio de simulação nos sites dos bancos;
  • Apenas o simulador da CAIXA oferece a opção de pacotes com relacionamento;
  • A redução das taxas de juros praticada pelos bancos se dá por avaliação individual do cliente correntista, em função do seu relacionamento.

PAULO CORDEIRO DOS SANTOS

ESPECIALISTA – CRÉDITO IMOBILIÁRIO

Para REFLEXÃO:

O que verificar além da taxa de juros oferecida pelo Banco?

Devem ser avaliados todos os custos envolvidos para decidir quanto às vantagens de escolha, além da taxa de juros devem ser analisados, no mínimo, o CET – Custo Efetivo Total e o CESH (Custo efetivo do seguro habitacional).

Os bancos têm políticas internas de manutenção de clientes, mas negociam caso a caso. Se você for um cliente rentável para o banco ele poderá oferecer algum benefício para fazer o financiamento, em especial se você informar que encontrou condições melhores.

Assim, exerça o poder de barganha.

Existem custos indiretos que são, em especial, os de manutenção de conta no novo Banco, pois normalmente para oferecer uma taxa de juros menor, o Banco vai querer reciprocidade (conta, cartão de crédito e cheque especial – no mínimo). Assim, devem ser avaliados esses custos na análise da escolha do banco, em especial, se não tiver relacionamento com ele.

 

Assim, sempre poderá ser vantajoso efetivar o financiamento no Banco onde já temos relacionamento e um pacote de serviços mais barato, além da redução de juros ou dos seguros habitacionais embutidos nas prestações.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE SUA PERGUNTA, COMENTÁRIO OU SUGESTÃO.